Iniciativa faz parte da Gincana De Olho no Óleo, que tem como objetivo estimular o descarte correto do resíduo

Estudantes do sétimo ano das escolas municipais Capitão Costa, Antônio Vaz e Dulcina Jotta Mendes, de São Pedro da Aldeia, aprenderam nesta quarta-feira a dar uma finalidade sustentável ao óleo de cozinha usado. Em uma ação em parceria entre a Prolagos, ONG Reciclóleo e secretaria municipal de Educação, os alunos viram como o resíduo, que pode ser extremamente prejudicial ao meio ambiente, se transforma em sabão em poucos minutos.

A atividade faz parte da Gincana De Olho no Óleo lançada pela concessionária entre alunos do 4º ao 9º ano do ensino fundamental da rede municipal das cidades de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia. As turmas de cada cidade que coletarem maior quantidade de litros de óleo ganharão uma visita-passeio ao Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. A coleta segue até o próximo dia 12 e a divulgação das escolas vencedoras será no dia 13 de setembro. A gincana é um desdobramento do programa homônimo lançado pela Prolagos em junho, que transformou as lojas de atendimento em postos de coleta.

Além de impulsionar o concurso, a iniciativa teve como objetivo contribuir na formação de cidadãos mais conscientes e engajados ambientalmente. “Envolver os alunos em atividades com esta oficina é fundamental para que eles vejam que podem fazer parte da solução de um problema que é extremamente prejudicial para os nossos recursos naturais. Os alunos são multiplicadores de informações e sabemos que eles levam o que aprendem na escola para os familiares e, com isso, é possível termos resultados excelentes na transformação da sociedade”, comentou Priscila Marques, professora de Ciências da Escola Municipalizada Capitão Costa, no bairro Cruz.

A oficina foi ministrada pelo responsável pela Reciclóleo, Marco Campos, o Macarrão, que recolhe óleo usado em hotéis, pousadas e restaurantes, e é o responsável pela correta destinação, como produção de sabão e biodiesel. “É um prazer fazer esta oficina com os estudantes, pois os jovens são o futuro do país, e nada melhor do que estimulá-los a serem mais conscientes. Gostei de ver a empolgação deles com a produção de sabão, que leva apenas óleo usado, água e soda cáustica. É simples, fácil e sustentável”, explicou.

Com um olho no óleo e outro na visita ao Museu do Amanhã, a diretora da escola Antônio Vaz, Denise Alves da Cunha, além de envolver toda a comunidade escolar com a coleta do material, também mobilizou parceiros para contribuírem com os alunos. “Estamos muito animados, pedindo doação aos vizinhos, donos de restaurantes, amigos. As turmas estão coletando e a que juntar a maior quantidade vai receber esse material que o corpo técnico está trazendo. Pretendemos continuar este trabalho mesmo após a gincana, pois já sabemos onde entregar todo o material e evitar a contaminação do meio ambiente”, disse.

O Programa de Olho no Óleo tem como objetivo orientar a população para que faça o uso correto da rede pública, pois descarte nos ralos e pias provoca entupimento, causando extravasamentos em vias e refluxo nos imóveis. Além disso, o resíduo pode interferir no processo de tratamento de esgoto nas estações, além de contaminar praias, lagoas e o solo. Para evitar a contaminação, basta colocar o óleo usado em garrafas plásticas e deixar em uma das seis lojas de atendimento da Prolagos.

A turma 700 da EM Antônio Vaz mostra parte do óleo que já foi coletado