Perguntas e Respostas

  1. 1 – O que diz o contrato da Prolagos sobre a captação e o tratamento de esgoto?
    O contrato prevê que até 2041 a Prolagos capte e trate 90% do esgoto produzido na área urbana dos municípios de Búzios, Cabo Frio, São Pedro da Aldeia e Iguaba Grande. Pelo contrato, não cabe à Prolagos a coleta e o tratamento do esgoto produzido nas zonas rurais desses municípios.
  2. 2 – O que é rede separativa na coleta do esgoto?
    É uma rede exclusiva para captação do esgoto. Ela coleta o esgoto de forma individual, ou seja, casa por casa, transportando-o para as Estações de Tratamento.
  3. 3 – O que é o sistema de tomada a tempo seco na coleta do esgoto?
     O sistema de “coleta a tempo seco” consiste na interceptação do esgoto presente nas galerias da rede pluvial, evitando que o mesmo seja despejado in natura no meio ambiente. Cabe à Prolagos a instalação de coletor-tronco (interceptores, recalques), caixas coletoras e construção de Estações Elevatórias, que transportam o esgoto às Estações de Tratamento (ETE) da concessionária. O sistema passou a vigorar em 2002.

    As Estações de Tratamento de Esgoto funcionam 24horas ininterruptamente. Mas quando chove muito e por um período prolongado, as comportas são abertas evitando inundações. O sistema de abertura das comportas é automatizado e só abre quando a água represada atinge um nível pré-estabelecido junto à autoridades, ONG’s e orgãos ambientais.

    Quando isso acontece, o esgoto já está suficientemente diluído pela água de chuva.

  4. 4 – Por que a escolha do sistema a tempo seco na coleta do esgoto?
    Quando a Prolagos assumiu a concessão, em 1998, o contrato previa a instalação de redes separativas de esgoto e, pelo cronograma, os investimentos maciços nesse segmento seriam realizados somente a partir de 2008. Para ajudar a recuperar a Lagoa Araruama, a sociedade civil organizada se reuniu e solicitou a mudança do contrato, propondo que as concessionárias que atuam na Região dos Lagos antecipassem os investimentos em esgoto.

    Em 2002, após um acordo proposto pelo Poder Concedente (prefeituras da área de concessão e governo do Estado), Consórcio Intermunicipal Lagos São João (que reúne diversas ONG`s, inclusive de pescadores de São Pedro da Aldeia), Agência Reguladora (AGENERSA) e Ministério Público, ficou definido que a Prolagos, juntamente com a outra concessionária de saneamento da região, anteciparia os investimentos de esgoto e que adotaria o sistema de captação a tempo seco.

    O objetivo desta mudança foi acelerar a redução do despejo de esgoto in natura na Lagoa Araruama. O sistema de coleta e tratamento de esgoto a tempo seco é utilizado pelas duas concessionárias que atendem a região.

    Este sistema trouxe benefícios reconhecidos por toda a comunidade nos últimos tempos, eliminando as algas depositadas às margens da lagoa Araruama e a multiplicação e o crescimento dos peixes. A empresa realiza mensalmente todos os testes e análises para controle dos efluentes lançados e é monitorada pelos órgãos ambientais competentes.

  5. 5 – Se o sistema de coleta de esgoto utiliza a rede de drenagem pluvial existente nas cidades, por que o usuário paga uma taxa de esgoto embutida na tarifa de água?
    Os usuários não pagam uma taxa pela coleta de esgoto. A tarifa de água da Prolagos contempla o reequilíbrio econômico pelos investimentos realizados pela concessionária nos sistemas de esgotamento sanitário, que incluem instalação de interceptores, linhas de recalque, construção de dezenas de estações elevatórias e as ETEs (estações de tratamento de esgoto), bem como toda a operação do sistema. A Prolagos já investiu mais de R$ 160 milhões nos sistema de coleta e tratamento de esgoto de Cabo Frio, Búzios, São Pedro e Iguaba Grande. Os investimentos são acompanhados e fiscalizados pelas prefeituras e reconhecidos pela Agência Reguladora (AGENERSA).