Lagoa Araruama

A Lagoa Araruama, com 220 km2 de superfície, é o maior ecossistema lagunar hipersalino em estado permanente do mundo, banhando os municípios de Saquarema, Araruama, Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia, Cabo Frio e Arraial do Cabo.
Durante décadas a Lagoa Araruama depurou toneladas de esgotos isentos de qualquer tratamento prévio. O estreitamento do Canal do Itajurú, que a liga ao mar, reduziu o volume de troca de água com o oceano. A lenta renovação da lagoa fez com que a poluição orgânica ficasse retida.
No verão de 1997 apareceram os sintomas de colapso: uma superproliferação de algas em algumas enseadas assustou a população, dando sinais claros que a capacidade de depuração da lagoa estava se esgotando.
A queda da salinidade e a entrada de nutrientes pelos esgotos, associada à falta de dragagem, ao elevado tempo de residência da água, ao manilhamento dos canais e ao estreitamento do Canal do Itajurú, causaram sérias consequências.

Preservação da Lagoa Araruama

Em 2002, o Consórcio Intermunicipal Lagos São João*, o Poder Concedente, as ONGs, a Agência Reguladora e o Ministério Público definiram mudanças no contrato de concessão da Prolagos no que diz respeito à recuperação da Lagoa Araruama.
Eles entenderam que era impossível executar, em curto prazo, as redes coletoras separadoras que o sistema regional necessitava. Sozinhas, estas redes consumiriam cerca de 70% dos recursos previstos para serem aplicados em esgoto durante toda a concessão.
Juntos, definiram pela utilização provisória dos sistemas de drenagem pluvial como coletores, uma vez que os esgotos já estavam lá. Estes seriam direcionados através de tomadas de tempo seco para Estações Elevatórias (EE) e Estações de Tratamento de Esgotos (ETE), o que levaria a uma redução imediata e maciça da carga orgânica que chegava à Lagoa Araruama.
Com isso, quase 100% dos esgotos seriam captados e tratados durante 95% do ano (período sem chuvas).

<<Caixa Menor>>
(*) fórum intermunicipal que atua na conservação dos recursos naturais e na promoção do desenvolvimento sustentado nas bacias hidrográficas da região formada por representantes de prefeituras, empresas e entidades da sociedade civil

Hoje

A preocupação com o meio ambiente e ecossistema da Região dos Lagos é constante e por isso, a Prolagos faz o monitoramento da qualidade da água em diferentes pontos da Lagoa Araruama em que há o despejo do efluente tratado das ETEs, a fim de garantir a eficácia do sistema de tratamento empregado.
Nos diversos pontos de monitoramento, são analisados os parâmetros físico-químicos, como turbidez, salinidade, oxigênio dissolvido, pH, temperatura, fósforo total, nitrogênio total, DBO e coliformes fecais.
Entre as medidas em execução que beneficiam diretamente a Lagoa estão:
– Cinturão coletor no entorno da Lagoa Arauama
– Implantação de interceptores de esgoto em Cabo Frio
– Construção da ETE Jardim Esperança, em Cabo Frio
– Ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto de São Pedro da Aldeia (antecipada)
Desde então, diversos indicadores comprovam as melhorias na Lagoa, como o aumento da quantidade, do peso e da variedade dos peixes. Outra mudança percebida refere-se à redução das quantidades de nitrogênio e fósforo na água, o que representa maiores índices de despoluição.