Jornalistas da região colocam o saneamento em pauta e mostram como os investimentos no setor impactam a sociedade

Uso indevido da rede pública, como lançamento de lixo e óleo, preservação de ecossistemas singulares, como a Lagoa de Araruama e o Mangue de Pedra, em Armação dos Búzios, iniciativas para a redução de perdas e reserva de água e o poder transformador da educação ambiental foram alguns temas escolhidos pelos profissionais de imprensa da Região dos Lagos no desenvolvimento das reportagens e fotografias no II Prêmio Prolagos de Jornalismo Ambiental. O concurso recebeu 76 inscrições, quase o dobro registrado na primeira edição.

O prêmio vai distribuir R$ 36 mil em dinheiro e, assim como no ano passado, os dois primeiros colocados serão agraciados, no entanto, os valores foram reajustados: R$ 4.500,00 e R$ 2.500, respectivamente. Na categoria Jornalismo Universitário o primeiro lugar receberá premiação em dinheiro no valor de R$ 1.000,00. Todos os vencedores receberão troféus. Além do expressivo número de inscrições, a segunda edição também conta com maior número de pessoas e canais de mídia envolvidos: foram 21 universitários, 34 profissionais e 20 veículos participantes.

“Esta edição superou nossas expectativas, registramos crescimento de 85% no número de inscrições. Ficamos contentes em ver que o saneamento está ganhando mais espaço nas redações e este é o objetivo do concurso, estimular a produção de reportagens para que as informações cheguem à população. Esse interesse mostra que o prêmio veio para ficar”, comemora a coordenadora de Comunicação e Relações Públicas da Prolagos, Yolanda Carnevale.

Os vencedores serão conhecidos durante a festa de premiação que será realizada no fim de novembro, em data e local que serão divulgados em breve.